18 de junho de 2009

A mensagem dos sócios fundadores em 2003

"O nome desta Associação está ligado ao enorme desejo que os Cacilhenses manifestam no regresso do seu Farol ao Cais de Cacilhas.
Desde 1886, data em que foi colocado no Cais, que ele ganhou o carinho de toda a população local, prestando um enorme serviço à circulação entre as duas margens, trazendo a bom porto, os barcos que enfrentavam o nevoeiro, guiando-os através da neblina com a sua luz e o apitar contínuo e ritmado da sua buzina.
Não pretendemos suscitar polémicas, ou mesmo carpir mágoas pela sua partida. Mas sim contribuir para o seu regresso ao Cais de Cacilhas, local donde nunca deveria ter saído."



O Farol continua a fazer parte da cultura dos Cacilhenses, e preenche também de forma indiscutível o seu imaginário. Ilustrando essa realidade estão o poema da Idalina Alves Rebelo e o trabalho fotográfico do José Luís Guimarães, demonstrativos do carinho que também os nossos artistas lhe dedicam.


NOSSO FAROL

Desde 1866 foste tu

Ante-âmbolo da nossa infância
Mirante dos nossos sonhos
Luz guardião da esperança
Que embalou nossos anos mais risonhos
Ex-libris d’um lugar harmonioso
Lá no alto como grande e distinto senhor
Como um verde mastro elevado e orgulhoso
Te mantiveste erecto, altivo em teu labor
De cintilante brilho te revestiste
Abrindo em tua luz verde esmeralda
os caminhos do rio que te embalou
E, em ti viveu...
E um dia sem aviso
Te arrancaram p’la raiz
e o lugar, que contigo foi feliz
Assim ficou castrado e entristeceu

E a tua formosa luz se apagou
Murchou p´ra sempre
Vivendo hoje somente
Em nossa saudosa mente

Poema Inédito de AnyAna







imagem de: José Luís Guimarães

1 comentário:

Almada Morreu disse...

Almada Morreu, a cidade Morreu.

A Câmara Municipal de Almada não fez jus às suas promessas!

A cidade está deserta, não há gente, não há vivacidade.


Apareça e Divulgue www.almadamorreu.pt.vu

Por si, pelos comerciantes, pelos habitantes...por Almada!